02 April 2010

A vida de um pequeno empresário no Brasil

 Um dia, o Senhor chamou Noé que morava no Brasil e ordenou-lhe:
  - Dentro de 6 meses, farei chover ininterruptamente durante 40 dias e 40 noites, até que o Brasil seja coberto pelas águas.
Os maus serão destruídos, mas quero salvar os justos e um casal de cada espécie animal. Vai e constrói uma arca de madeira.
No tempo certo, os trovões deram o aviso e os relâmpagos cruzaram o céu. Noé chorava, ajoelhado no quintal de sua casa, quando ouviu a voz do Senhor soar furiosa, entre as nuvens:
- Onde está a arca, Noé?
- Perdoe-me, Senhor suplicou o homem.
Fiz o que pude, mas encontrei dificuldades imensas:
Primeiro tentei obter uma licença da Prefeitura, mas para isto, além das altas taxas para obter o alvará, me pediram ainda uma contribuição para a campanha para eleição do prefeito. Precisando de dinheiro, fui aos bancos e não consegui empréstimo, mesmo aceitando aquelas taxas de juros...
Começaram então os problemas com o IBAMA para a extração da madeira.  Eu disse que eram ordens SUAS, mas eles só queriam saber se eu tinha um tal de "Plano de Manejo".  Neste meio tempo eles descobriram também uns casais de animais guardados em meu quintal... Além da pesada multa, o fiscal falou em "Prisão Inafiançável" e eu acabei tendo que amarrar o fiscal nos fundos de casa pois para este crime, a lei é mais branda.
Quando resolvi começar a obra, apareceu o CREA e me multou porque eu não tinha um Engenheiro Naval responsável pela construção.  Depois apareceu o Sindicato exigindo que eu contratasse seus marceneiros com garantia de emprego por um ano. Veio em seguida a Receita Federal , falando em "sinais exteriores de riqueza" e também me multou. Quando expliquei a motivação divina, quiseram me mandar para um manicômio; sorte que o INSS estava de greve...

Noé terminou o relato chorando, mas notou que o céu clareava perguntou:
- Senhor, então não irás mais destruir o Brasil?
- Não! - respondeu a Voz entre as nuvens.
- Pelo que ouvi de ti, Noé, cheguei tarde!
Reação:

0 comentários:

Post a Comment