15 November 2009

Vinte anos do Muro de Berlim

Esta semana comemorou-se os vinte anos da queda do muro de Berlim, símbolo do grande confronto do século XX.  O confronto da Guerra Fria, apesar do grande destaque recebido nos livros de história, desvanece no imaginário popular.  Quem lembra dos motivos que União Soviética e Estados Unidos brigavam?  Vinte anos atrás termos como Praça da Paz Celestial, Ceaucescu, Sakharov, Solidariedade e Perestroika carregavam consigo a vinculação com o destino humano.  Para a geração atual, somente buscando estes termos no Google ou Wikipedia.

Vale tentar lembrar o motivo de tanto drama com a queda de um simples muro.  Muros, através da história, foram construídos quase sempre com os mesmo propósitos: proteger aqueles do lado de dentro daqueles do lado de fora.  Onde quer que seja que você mora, olhe para o seu muro e reflita por um instante para que ele serve.  O Muro de Berlim, entretanto, era especial.  Ele era um muro que buscava impedir aqueles que estavam dentro de sair; a unica analogia é uma prisão.  Os governos comunistas do Leste Europeu e União Soviética aprisionaram seus cidadãos, por detrás deste muro, por quase meio século.  

Em meio a esta prisão de larga escala que englobava China, União Soviética e Leste Europeu e da qual o único resquício moderno é Cuba, ocorreram algumas das maiores tragédias humanas do século XX.  Alguns termos para procurar no Google seguem: holodomor, o Grande Expurgo, a Revolução Cultural, Khmer Vermelho, Gulag, apenas para citar os exemplos mais conhecidos que consumiram dezenas de milhões de vidas.  A ligação direta entre cada um destes casos é que a tragédia humana em cada um deles não foi causada por guerra, mas por políticas internas de governo.  Desafio o leitor a encontrar tragédia de magnitude semelhante que uma democracia tenha infligido ao seu próprio povo.  

A história é vasta (e fascinante), mas não cabe nestas breves linhas.  Resumo então o motivo da queda daquele muro a uma palavra: liberdade.  Faz-se importante então traduzir o que é liberdade no dia-a-dia.  Um cidadão livre pode buscar, ter e expor a opinião que quiser a respeito de qualquer pessoa, partido ou idéia -- por detrás do muro, iria-se preso por opiniões "indesejáveis" ou mesmo por posse de material ideológico "perigoso".  Um cidadão livre tem a segurança de que seu governo não vai agir com arbitrariedade contra ele -- por detrás do muro, sumia-se nas garras de polícias secretas sem motivo ou oportunidade de defesa ou morria-se de fome sem a oportunidade de trabalhar.  Um cidadão livre pode fazer o que bem quiser com sua propriedade ou vida, seguir a carreira que desejar, se movimentar ou se mudar conforme seu desejo -- por detrás do muro, o governo determinava seu destino profissional, econômico, político e geográfico.  

O Brasil, apesar de todos os defeitos, constitui-se neste início de século XXI de um país bastante livre.  Temos eleições abertas e competitivas, nossa imprensa é livre, nossos cidadãos são livres para escolher seu destino profissional, geográfico ou pessoal, nossa justiça oferece amplo espaço de defesa contra arbitrariedades ou expropriações por parte de governos, temos acesso a informações e produtos produzidos em quaisquer lugar do mundo.  Nós amazônidas devemos reconhecer ainda mais o valor desta liberdade, como território de fronteira para onde migraram povos sob opressão desde árabes a judeus, japoneses a nordestinos, todos migraram para uma Amazônia de oportunidades e liberdades.  

É neste contexto histórico que gostaria de conclamar o leitor a refletir por alguns minutos a respeito da sociedade na qual vivemos.  Celebremos também que, há parcos vinte anos atrás, quase 500 milhões de pessoas passaram a viver em sociedades livres.  Indignemo-nos toda vez que meios de imprensa de oposição sejam fechados, cidadãos tenham seu "sumiço" estatal ou sua saída impedida.  E que muros nunca sirvam para evitar nossa saída.

Reação:

0 comentários:

Post a Comment